comercial@psicologiaefono.com.br
28 99881-4629
Artigos
Psicologia e Direito - Um Casamento Perfeito
Postado em: 28/10/2018
Psicologia e Direito - Um Casamento Perfeito
Banco dos réus, advogados de defesa, Promotoria na acusação, os jurados – membros do Conselho de Sentença, e o Juiz, Presidente do Júri.
Está composto o Tribunal do Júri, onde em alguns instantes uma vida terá seu destino decidido pela consciência dos jurados, cidadãos comuns, cuja decisão será homologada pelo Juiz.
O crime cometido?
Um homem que brutalmente assassinou sua esposa e a esquartejou colocando seus pedaços dentro de uma mala. O crime seria julgado normalmente se não houvesse a comoção pública. O Juiz determina nesse instante que se convoque um psicólogo e um psiquiatra forense para que ambos tracem o perfil psiquiátrico do réu, a fim de que haja um auxílio a humanizar os julgamentos. Essa avaliação permitirá assim saber se o réu em questão é um criminoso eventual que pode cometer um crime passional, resultante de uma ação simultânea ou é um criminoso cruel, onde seu comportamento se destoa do resto da sociedade.
Esse caso é somente um exemplo de como a Psicologia está intrinsecamente ligada ao Poder Judiciário. A necessidade de se obter essa junção é gritante, pois o Poder Judiciário inicia um processo que se extinguirá com a sentença, mas como ficam os “personagens” daquele processo tão dolorido na vara de família, por exemplo, onde os pais disputam aos berros a guarda de sua filha de quatro anos? Será que esses personagens da vida real vão para o arquivo da mesma forma que o processo em si? E como é que fica o psicológico dessa criança que foi “atirada” dentro desse turbilhão de emoções em meio a guerra existente entre seus genitores?
A psicologia vem tratar de forma focal a subjetividade dessas pessoas que estão envolvidas nesse contexto judicial, com o objetivo de amenizar a angústia desses indivíduos.
O entrelaçamento entre essas duas áreas deve se aprofundar cada vez mais, pois só assim, com esse “primeiro grande passo” poderemos retirar um pouco da venda que encobre os olhos da JUSTIÇA.


Sue Hellen Fonseca Viana Feu
Psicóloga
CRP 16/2889
VOLTAR!